Página Inicial - AleaPágina Inicial
O que é...
S.O.S.
Perguntas frequentes
e-ALEA
Estatística divertida
Factos em números...
Biblioteca ALEA
Encontros ALEA
Ligações úteis
Mapa do sítio
Regista-te 
 
Calculadora
Glossário
Combinatória

 

UTILIZAÇÃO DA INTERNET CRESCE MAIS DE 20%
NAS FAMÍLIAS PORTUGUESAS
NOS ÚLTIMOS DOIS ANOS

 

Mais de metade das famílias portuguesas ainda não dispõe de computador mas o parque informático dos agregados familiares encontra-se em crescimento. As famílias da região de Lisboa e do Algarve utilizam mais o PC do que a média nacional e a maioria das pessoas que o fazem são homens. A utilização de PC e da Internet é fortemente influenciada pelo nível de instrução.


Tecnologias da Informação e da Comunicação nos agregados domésticos


De acordo com os dados recentes do Inquérito à utilização das Tecnologias da informação pelas Famílias, os equipamentos de comunicação estão implementados na generalidade dos agregados domésticos. Da combinação de telefone móvel com telefone fixo resulta que 95% dos agregados dispõem de pelo menos um destes meios de comunicação, sendo de 79% e de 75% as proporções de agregados com telefone móvel e com telefone fixo, respectivamente. A televisão está presente em 99% dos agregados; 37% têm acesso à televisão pela rede cabo e 12% por satélite. O modo de recepção com antena convencional é uma realidade para 72% dos agregados.

Nos últimos três anos aumentou a posse de Tecnologias da Informação e da Comunicação (TIC) nos agregados domésticos portugueses. Em 2004, 41% dispõem de computador e 26% de acesso à Internet a partir de casa (27% e 15%, respectivamente, em 2002). Observa-se, entre 2002 e 2004, um crescimento médio anual de 25%, no que respeita ao computador, e de 33% no que se refere à Internet.

 


A análise destas tecnologias por regiões NUTS II evidencia Lisboa com níveis acima da média nacional: 50% dos agregados domésticos desta região possuem computador e 33% podem aceder à Internet a partir de casa. O computador constitui o meio privilegiado de acesso à Internet: 90% dos agregados com ligação a esta tecnologia a partir de casa referem aceder à mesma através do computador e 21% pelo telemóvel. Quanto ao tipo de ligação, o modem (linha telefónica analógica) é utilizado por 52% dos que têm acesso à Internet em casa, enquanto 33% destes optam por outra ligação por banda larga (ex. ligação por cabo) e 15% por DSL.

 


Computador e Internet: perfis de utilização

A comparação com anos anteriores dos níveis de utilização das duas tecnologias permite verificar o acréscimo entre 2002 e 2004 de cerca de 10 pontos percentuais, quer na utilização de computador, quer na utilização de Internet. Registou-se neste período uma taxa média de crescimento anual de 17% para o computador e de 24% para a Internet.

 

Em 2004, na análise por regiões, destacam-se Lisboa e Algarve com níveis de utilização de computador acima da média nacional: 48% e 40%, respectivamente.

No que respeita à Internet, Lisboa apresenta a proporção de utilizadores mais elevada (39%), seguindo-se as regiões do Algarve e do Centro, ambas com 28%.

 


Verificam-se padrões diferenciados de utilização das TIC pelos vários segmentos da população. A proporção de homens que utiliza qualquer destas tecnologias é superior à de mulheres: 40% dos homens afirmam ter utilizado computador para 34% das mulheres e 32% para 27%, respectivamente, navegaram na Internet.

A utilização de computador e de Internet varia na razão directa do nível de instrução: entre os indivíduos que possuem ensino superior a proporção de utilizadores de computador e de Internet é de 92% e de 84%, respectivamente, para 22% e 15% dos que têm um nível de escolaridade até ao 3.º ciclo.

A utilização das TIC é inversamente proporcional à idade, sendo que os indivíduos do escalão etário dos 16 aos 24 anos atingem níveis de uso de computador e de Internet na ordem dos 73% e 64%, respectivamente. À medida que se avança para escalões etários mais altos diminui a proporção de utilização, com 9% dos indivíduos com 55 e mais anos a afirmarem ter utilizado computador e 5% Internet.



A condição perante o trabalho é também distintiva em termos de uso destas tecnologias: a quase totalidade dos estudantes (96%) utiliza computador e 91% utilizam Internet. Aproximadamente metade dos empregados utiliza computador (44%) e cerca de um terço acede à Internet (34%).

A análise dos perfis de utilização entre a população empregada permite constatar níveis de uso diferenciados entre os grupos profissionais, com os mais qualificados a destacarem-se: os Especialistas das Profissões Intelectuais e Científicas apresentam níveis de utilização mais elevados - 96% destes utilizam computador e 90% acedem à Internet, bem como os Técnicos e Profissionais de Nível Intermédio e o Pessoal Administrativo e Similares, dos quais cerca de 86% fazem uso do computador e 74% e 67%, respectivamente, utilizam Internet.

 

Para saber mais...

NOTA METODOLÓGICA (SÍNTESE)
Estes são alguns dos resultados do Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias, realizado pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), com a colaboração da Unidade de Missão Inovação e Conhecimento (UMIC), que afere a posse e a utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação entre a população portuguesa.

A recolha dos dados decorreu nos meses de Maio e Junho de 2004. O período de referência dos dados, salvo indicação em contrário, é o primeiro trimestre de 2004.

Trata-se de um inquérito realizado anualmente, e que segue as recomendações metodológicas do Eurostat. Enquadra-se no âmbito do desenvolvimento das estatísticas da Sociedade da Informação.

ÂMBITO: agregados familiares compostos por pelo menos um indivíduo com idade entre os 16 e os 74 anos, residentes em alojamentos familiares de residência principal.

AMOSTRA
: 6 026 alojamentos familiares de residência principal, a que correspondem 4 432 agregados domésticos com pelo menos um indivíduo com idade entre os 16 e os 74 anos e 10 023 indivíduos nesse âmbito etário; estratificação por região NUTS II e representatividade para Portugal, para a Região Autónoma dos Açores e para a Região Autónoma da Madeira.

MÉTODO DE INQUIRIÇÃO: informação recolhida por entrevista directa, em computador portátil.

Para saber mais consulte o Infoline em http://www.ine.pt/prodserv/quadros/periodo.asp?pub_cod=309, no
Tema Sociedade da Informação e do Conhecimento, Sub-tema Sociedade da Informação.